.

Últimas do Mané

       

Informe FCF

                         

         

               

O GRUPO TEATRAL DROMEDÁRIO LOQUAZ  E SEUS ESPAÇOS CÊNICOS
     
    

Desde sua fundação o Grupo de Teatro O Dromedário Loquaz tem utilizado espaços cênicos não convencionais 

para a encenação de seus espetáculos. Tal pesquisa dá-se tanto pelas possibilidades múltiplas da ocupação 

destes pelo ato cênico, como de realização de temporadas longas que permitam tanto o aprimoramento técnico e artístico das montagens quanto a construção de público. 
      
Juntamente ao resultado artístico de seus trabalhos o grupo tem valorizado também os espaços ocupados por

suas montagens permitindo ao público a visitação destes espaços sob uma nova ótica.
        
Anteriormente, o grupo já encenou espetáculos em diferentes espaços da cidade. O prédio da Antiga Alfândega, 

abrigou as montagens “A Importância de Estar de Acordo”, em 1981, “Curto Circuito”, em 1985 e “As Hienas” em l986; 

o espaço MultiMídia do CIC foi utilizado pela primeira vez com teatro com “Doce Vampiro”, em 1984; 

a Sala Fulanos e Florianos com “Pessoa(s)” em 1988 e o Prédio da Faculdade de Educação – FAED

recebeu, em 1994 “Agnus Dei”.

    

Todas as experiências se revelaram positivas, tanto na receptividade do público, como no resultado estético dos 

espetáculos. O espaço cênico pesquisado pelo grupo Teatral O Dromedário Loquaz para a encenação de Quinnipak 

– Mundos de Vidro, é um bloco desativado das Fabricas de Rendas e Bordados Hoepcke, sito à rua Hoepcke s/n, no 

centro de Florianópolis. Esta propriedade, tombada pelo Patrimônio Histórico Municipal, foi construída em 
1913 e é um marco importante da arquitetura do inicio do século na cidade.
       
O interesse do grupo em utilizar a ala desativada do prédio da Fábrica de Rendas e Bordados Hoepcke como espaço 

cênico, deu-se tanto pela sua localização (área central, fácil localização para divulgação e possibilidade de 

estacionamento nas ruas adjacentes), como pela multiplicidade de aproveitamento cênico permitido pela 
dimensão e características físicas do ambiente.

         
No espaço encontram-se antigas máquinas de tecelagem que foram assumidas enquanto cenário, recebendo 

iluminação especial e reforçando o momento histórico m que se passa a peça, quando o mundo vivia com espanto as

 transformações que a industrialização provocava em todos os setores da sociedade.
        
Desde a elaboração do projeto de encenação, o grupo definiu a antiga Fabrica de Bordados Hoepcke como o espaço ideal 

para a montagem de Quinnipak – Mundos de Vidro. A sensibilidade dos proprietários do espaço, cedendo o uso do espaço ao 
grupo, revela como podem ser múltiplas as parcerias entre a iniciativa privada e os setores da produção cultural,

 valorizando a produção artística local e permitindo ao público em geral conhecer este importante patrimônio 

arquitetônico que funde-se com a história da cidade.

    

   


 

PREFEITA SANCIONA LEIS DE DENOMINAÇÃO

A prefeita Angela Regina Heinzen Amin Helou, na última semana, sancionou duas leis aprovadas pela Câmara Municipal de Florianópolis, 

que tratam de denominações referentes ao órgão oficial de cultura do município. A primeira, Lei nº 6081, de 25 de outubro de 2002, 

denomina Sylvio Ferrari o Banco de Imagens da Casa da Memória - uma homenagem ao proprietário da antiga Confeitaria do Chiquinho, 

que ficava no prédio ainda existente na Rua Felipe Schmidt, esquina com a  Rua Trajano, no coração da cidade. 

Ele foi o doador dos primeiros e mais importantes registros fotográficos do acervo do Banco de Imagens, feitos no início do século XX. 

A maioria das imagens são flagrantes do cotidiano ilhéu, captados dentro e fora do estabelecimento comercial. 

A segunda, Lei nº 6082, também de 25 de outubro de 2002, altera a redação do Artigo 1º, da Lei 2647/87, 

de 29 de julho de 1987, data da criação da Fundação Franklin Cascaes. O órgão oficial de cultura da cidade agora passa a ser denominado 

Fundação Cultural de Florianópolis - Franklin Cascaes.

Assessoria de Comunicação: Marcos Reichardt Cardoso (SC 00461 JP).

Fundação Cultural de Florianópolis - Franklin Cascaes
Forte de Santa Bárbara
Rua Antônio Luz, nº 260 - Centro
Florianópolis - SC - 88010-410
Fone: (48) 3241415
Fax: (48) 3240148
E-mail: ffcascaes@pmf.sc.gov.br
www.pmf.sc.gov.br

     

    


     

PROJETO OFICINAS NAS COMUNIDADES É DESTAQUE NO MERCOSUL

     

O projeto Oficinas nas Comunidades, da Fundação Franklin Cascaes, foi um dos quinze 

classificados do Prêmio Mercocidades de Cultura - Cidade Juiz de Fora, realizado pela Prefeitura 

daquele município mineiro, através da Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (FUNALFA). 

A promoção foi aberta a iniciativas de Cultura e Cidadania, desenvolvidas por cidades integrantes da 

Rede de Mercocidades, que propõem ações que visem a valorização e a inserção social do cidadão, 

proporcionando novas oportunidades por meio da atividade cultural.
Todos os selecionados tiveram seus trabalhos publicados em um livro editado pela FUNALFA, que
está sendo distribuído em todas as Unidades Temáticas da Rede. Única representante catarinense, 

Florianópolis ganhou três páginas na publicação, onde além de fotografia, constam histórico,

objetivos, resultados, custos, executores, instituições onde é aplicado e desdobramentos do 

projeto coordenado por Carin Heloísa Hahn da Silva Machado.
A comissão julgadora - formada pela socióloga e antropóloga Shirley Torres (de Juiz de Fora/MG), 

Lúcia Maria Goulart Jahn (assessora da Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre/RS) e 

Silvana Maria Leal Cóser (assessora da Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte/MG) -
analisou propostas de 32 candidatos, concedendo o prêmio de U$ 2.000,00 (dois mil dólares) ao
 projeto Usina de Triagem e Reciclagem de Papel de Santo André (SP). 

Os outros treze classificados são de Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Juiz de Fora (MG), 

Porto Alegre (RS) e das cidades argentinas de Buenos Aires, Mendonza, Morón e Ushuaia.
     

                     


        

OFICINAS DE ARTE E ARTESANATO

Cerca de cinco mil pessoas já passaram pelas oficinas de arte e de artesanato de referência cultural 

promovidas pela FFC, que, a partir de 1997, saltaram de seis para 46 cursos simultâneos. 

As aulas são ministradas ao longo do ano, nos bairros da Ilha e do continente. São cursos de arte em espuma, Boi-de-Mamão, bordado, cerâmica, dança folclórica, desenho, pintura, renda de bilro e de

tramóia, tarrafa, tear e teatro, em sua maioria, a pedido da própria comunidade. 

Os alunos aprendem a confeccionar produtos artesanais característicos de nossa herança cultural, 

que depois são expostos e comercializados. Os professores estimulam o potencial artístico dos cursistas, 

sendo que muitos profissionalizam-se e seguem carreira.
No final do ano, quando os cursos são encerrados, acontece a formatura dos alunos, com entrega de 

certificados. Somando-se as oficinas esporádicas que surgem durante o ano, são cerca de 800 

pessoas que aprendem a dar continuidade ao artesanato e ao folclore locais e têm seu primeiro 

contato com a arte. As comunidades interessadas em ter oficinas em seus bairros devem dispor de 

espaço físico e divulgar as inscrições, enquanto a FFC responsabiliza-se pelo pagamento dos 

professores e contribui com o material necessário para a sua realização.
A continuidade desta iniciativa é tão importante que o Projeto Oficinas nas Comunidades foi o único 

representante catarinense selecionado como finalista ao Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade 

para Ações de Preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro - Edição 2000, nas categorias Educação 

Patrimonial e Bens Imóveis. Além de ter recebido o certificado de participação, em Brasília (DF), foi 

uma das dez ações destacadas por unanimidade, pela Comissão Nacional de Avaliação, como 

"material de excepcional qualidade". O Prêmio é conferido pela Secretaria de Patrimônio, Museus e 

Artes Plásticas do Ministério da Cultura e pelo IPHAN.

                                        

                     


      

TROFÉU BERNUNÇA 2002

   

Nesta segunda-feira (29/07), a Fundação Franklin Cascaes - órgão oficial de cultura de Florianópolis - completou 15 anos de existência. 

Dentro da programação comemorativa, a partir das 19h30, em sua sede, no Forte de Santa Bárbara, foi entregue o Troféu Bernunça 

a quinze personalidades e instituições que colaboram com os projetos da FFC. 

Houve também um show musical do Grupo Engenho, a performance do ator Marcelo Perna (que interpretou um "manezinho", falando 

sobre o pesquisador e folclorista Franklin Cascaes), bruxas do Grupo Folclórico Cidade de Florianópolis, exposição de pinturas e 

esculturas em papel do acervo de arte da FFC e de uma bruxa de pano confeccionada pelo artista plástico Jone Cézar de Araújo, 

além da presença dos bichos do folguedo mais tradicional da Ilha de Santa Catarina, o Boi-de-Mamão.

 

Homenageados

 

Bob's - através do empresário Célio Philippi Salles.

Brasil Telecom - através de seu diretor-institucional João Francisco dos Santos.

Dilor Freitas - presidente do Conselho Administrativo da Cecrisa.

Gelcy Coelho (Peninha) - museólogo.

Gley Sagaz - secretário de Estado da Casa Civil.

Grupo Armação de Teatro - através do ator Édio Nunes.

Jone Cézar de Araújo - artista plástico e presidente da Casa dos Açores.

Lilio Chaves Cabral - chefe da representação governamental em Brasília.

Maestro Hélio Teixeira da Rosa (in memorian).

McDonald's - através dos franqueados Ari Sundfeld (Drive Thru) e João Ribeiro (Beiramar Shopping).

Realcolor - através de Arsidio Philippi.

Salim Miguel - escritor, destaque literário nacional.

Vera Sabino - artista plástica.

Vidraçaria Santa Efigênia - através de Witti Witthinrich

Zeneide Alves de Melo - coordenadora do Boi-de-Mamão do Sambaqui.

   

                         


....      

SARAU ARTÍSTICO-LITERÁRIO

   

      

     O encerramento das festividades alusivas aos 15 anos da FFC foi na quarta-feira (31/07), a partir das 20h00, com um 

sarau artístico-literário para convidados, no Museu Histórico de Santa Catarina Palácio Cruz e Sousa. 

As atrações da noite forão o saxofonista Ney Platt, que fez uma apresentação solo e que também acompanhou o ator 

João Batista Costa, interpretando poemas de Cruz e Sousa, caracterizado. O ator José Carlos Ramos, 

do Grupo Armação de Teatro, apresentou o texto do jornalista e escritor Sérgio da Costa Ramos, 

"Quero-Quero" - a visão saudosista de um "manezinho" sobre o cotidiano da cidade transformada. 

O ator Marcelo Perna interagiu com os convidados, caracterizado como o pintor Victor Meirelles. 

A Orquestra-Escola de Florianópolis, regida pelo maestro Carlos Alberto Vieira, 

fez uma breve apresentação, com o coral do espetáculo operístico "Um Sonho de Catarina", 

que teve estréia marcada para agosto. E ainda, os músicos Joel e Janete e o pianista Pablo Rossi (13 anos), 

que estiveram acompanhados de seus irmãos, os violinistas Juan (15) e Vanessa Rossi (10).

                                  

              


          

COLÓQUIO INTERNACIONAL DE LITERATURA
A EPOPÉIA AÇORIANA NA ILHA DE SANTA CATARINA

      

       
Integrando as comemorações do 15º aniversário da Fundação Franklin Cascaes - órgão oficial de cultura de Florianópolis, 

foi realizado nos dias 30 e 31/07, o Colóquio Internacional de Literatura - A Epopéia Açoriana na Ilha de Santa Catarina, 

alusivo aos 254 anos de povoamento açoriano. 

Sob coordenação da superintendente da FFC, Lélia Pereira da Silva Nunes, e do escritor Lauro Junkes, autores catarinenses e 

açorianos forão reunidos terça e quarta-feira, no auditório da Academia Catarinense de Letras (ACL), no Centro Integrado de 

Cultura (CIC), participando de conferências, painéis e mesas-redondas.

 

Os catarinenses estiverão representados por Celestino Sachet, Lélia Pereira da Silva Nunes, Lauro Junkes, Carlos Humberto Pederneiras 

Corrêa (presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina/IHGSC), Walter Fernando Piazza, Osvaldo Ferreira de Mello, 

Augusto César Zeferino, Nereu do Valle Pereira (presidente da Fundação Açoriana), Osmar Pisani, Paschoal Apóstolo Pítsica (presidente

 da ACL), Almiro Caldeira, Flávio José Cardozo, Hoyêdo Gouvêa Lins, Júlio Queiroz, Sérgio da Costa Ramos e Marcelo Passamai. 

 

E, vindo especialmente ao Brasil para a ocasião, os escritores açorianos Onésimo Teotônio de Almeida (da Brown University, Providence, Rhode Island, EUA), Urbano Bettencourt e Vamberto Freitas, ambos da Universidade dos Açores, Portugal.

              

         


    

NO MARANHÃO

       

João Batista Costa (coordenador-técnico do Encontro das Nações – evento realizado em agosto, 

alusivo ao Dia Internacional do Folclore) e a socióloga Maria Rosania Thomaz, ambos da FFC, estiveram em São Luís (MA), 

participando do 10º Congresso Brasileiro de Folclore – Folclore, Turismo, Tradição e Modernidade, que aconteceu em junho.

         

       


      

MAIS DOIS GRUPOS CONFIRMADOS PARA O IV ENCONTRO DAS NAÇÕES

          

O Balé Folclórico da Amazônia (Belém/PA) e o Centro de Tradições Gaúchas Aldeia dos Anjos (Porto Alegre/RS) confirmaram presença no 

IV Encontro das Nações – Brasil de Todos os Tons. O evento, alusivo ao Dia Internacional do Folclore (22 de agosto) e promovido pela  

FFC, acontecerá de 22 a 25 de agosto, no Largo da Alfândega, em pleno centro histórico de Florianópolis, reunindo, diariamente, 

das 10h00 às 22h00, artesanato de referência cultural, gastronomia, dança e música típicas de 25 grupos folclóricos convidados, 

representativos das etnias que formaram a população do Estado e do País. Com eles, estarão o Conjunto de Folclore Internacional 

Os Gaúchos (Porto Alegre/RS), o Grupo Folclórico Ucraniano Kalena (União da Vitória/PR), a Associação de Bumba-Meu-Boi do 

Sítio Apicum (São Luís/MA), o Grupo Folclórico Grego Neoléa (de Curitiba/PR), o Gustav Bach Danças Folclóricas 

(Massaranduba/SC), o Grupo Folclórico de Danças Alemãs da Universidade Regional de Blumenau (SC), o Grupo 

Folclórico Holandês de Castrolanda (Castro/PR) e o Grupo de Danças Folclóricas do SESC da Paraíba (João Pessoa/PB). 

 

O convite está aberto a grupos de todo o Brasil e os interessados deverão entrar em contato com o 

coordenador-técnico, João Batista Costa, até o dia 30 de julho, pelo telefone (48) 3241415.

            

          


                 

TRIBUTO AO POETA ZININHO

              

A Fundação Franklin Cascaes, promoveu no dia 15/05, no vão central do Mercado Público Municipal de Florianópolis, evento em 

homenagem ao aniversário de nascimento do saudoso Cláudio Alvim Barbosa, o poeta Zininho, que completaria 73 anos no 

último dia 8 daquele mês. A idéia foi promover uma noite descontraída, quando músicos e cantores subirão ao palco para 

apresentar as canções do autor. Estiveram presentes Valdir Agostinho, Jorge Coelho, Soninha e o grupo Bom Partido, 

que fizeram o show "Tributo ao Poeta Zininho", tendo a participação de Wagner Segura e o grupo Nosso Choro.

    

Mais informações, com Cláudia Barbosa, idealizadora da homenagem e filha de homenageado, pelo telefone (48) 99513641.

             

       


      

FEIRA DE RUA DO LIVRO DE FLORIANÓPOLIS

          

A Prefeitura Municipal de Florianópolis, através da Fundação Franklin Cascaes, e a Câmara Catarinense do Livro (CCL), de 

10 a 19 de maio, realizaram a Feira de Rua do Livro de Florianópolis, no Largo da Alfândega. A abertura solene foi às 10h00, 

com a presença da prefeita Angela Regina Heinzen Amin Helou, da superintendente da FFC, professora Lélia Pereira da Silva 

Nunes, e do presidente da CCL, editor Nelson Rolim de Moura.  

O retorno do evento à rua é um compromisso assumido pela prefeita em 2001, durante a Feira do Livro que aconteceu, em 

setembro, nas dependências do Beiramar Shopping – local para onde foi transferida há alguns anos e que atingiu um fluxo 

de 60 mil pessoas durante o período de realização.

A iniciativa foi tão bem recebida pelos editores, distribuidores e livreiros que os 44 espaços foram comercializados em apenas 

cinco dias, para 33 expositores, sendo 80% destes participantes da última edição indoor. Com o objetivo de facilitar o acesso 

ao livro, incentivar e promover o hábito da leitura desde cedo, a Feira atingiu seus objetivos que foi o de aproximar o escritor 

do leitor, incrementar o mercado, integrar o setor livreiro, além de proporcionar ao público a compra de livros com preços 

mais baratos. Florianópolis tem agora duas feiras de livro anuais, pois a realizada no Beiramar Shopping, no segundo 

semestre, será mantida. Nelson Rolim de Moura, Werner Zotz, Hélio Miranda e Rosângela de M. P. Tomazini, da CCL, 

e a superintendente da FFC, Lélia Pereira da Silva Nunes, formam a Comissão Organizadora.

 

Mais informações: Oceano Eventos (execução da Feira), com Juliana Rupp ou Leila Moritz, 

(48) 2223985 ou 3221021; CCL, com Nelson Rolim de Moura, (48) 2245135.

   

     

Expositores

     

*Livros e Cia, Livraria Açoriana, Armazém do Livro, Visual Books Editora, Confraria da Palavra, Editora IBEP, Distribuidora H. Z., 

Editora e Livraria Lunardelli, Editora Insular, Editora Papa-Livro, Editora da UFSC, Livraria e Editora Vozes, Federação Espírita 

Catarinense, Fundação Aníbal Nunes Pires/Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, EdiFURB, Ilha Mágica Livraria, 

Livraria Libretto, Sebo de Qualidade, Espíndola Livros e Revistas, Paulus, Mania de Ler, CATM. Representação e Distribuição 

de Livros, Ciranda de Livros, Eletrosul, Editora UNESP, FFC, Gran Sol Editora, Isto É, Paper Book, Prazer de Ler Locadora de 

Livros, Secretaria de Estado da Educação, Scheleck Editorial, Grupo Habitasul.

           

       


           

HUMOR – DIÁLOGO UNIVERSAL

        

A Prefeitura de Juiz de Fora (MG), cidade-sede da Unidade Temática de Cultura da Rede de Mercocidades 2002, 

através da Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (FUNALFA), está organizando a mostra Humor – 

Diálogo Universal, uma exposição itinerante que será inaugurada no próximo mês de setembro. 

O projeto prevê a reunião de obras de pequeno formato (próximos de 21 cm x 29 cm) de, aproximadamente, 

45 artistas do traço dos seis países integrantes da Rede, além de outros da América Latina, selecionados a 

partir de eventos internacionais. Chargistas, cartunistas e ilustradores de Florianópolis também terão a 

oportunidade de participar, inscrevendo de um a três trabalhos em cartum, charge ou ilustração. 

As obras deverão estar de posse da FUNALFA até o dia 30 de julho.

       

Mais informações: Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (FUNALFA). 

Avenida Rio Branco, nº 2234, Centro, Juiz de Fora (MG), 36016-310, telefone (32) 36907033, 

fax (32) 32155687, e-mail  funalfa@funalfa.art.br  homepage www.funalfa.art.br

        

        


         

EM MAIO ACONTECEU A EXPOSIÇÃO DA 8ª MARATONA FOTOGRÁFICA DE 

FLORIANÓPOLIS NO SHOPPING ITAGUAÇU

        

Abriu no dia 04/05, no Shopping Itaguaçu, em São José, a exposição dos trabalhos vencedores da 

8ª Maratona Fotográfica de Florianópolis. Foram 130 fotografias distribuídas em 27 painéis day fon  

(espuma entre papel cartão). 

As 24 fotografias de cada conjunto premiado foram ampliadas no tamanho 20 cm x 30 cm e os 

34 melhores registros individuais em 30,5 cm x 46 cm. 

A mostra, que teve curadoria do artista plástico Aldo Luz, permaneceu no local até o dia 19 de maio.  

A Maratona, promovida pela FFC, no mês de março, fez parte da programação comemorativa dos 

276 anos de Florianópolis e teve patrocínio da Realcolor e da Kodak Express e apoio da 

100,1 MHZ/Rádio Udesc Educativa, Bob’s e Fundação Municipal de Esportes. 

Foram premiados três conjuntos de 24 fotografias na categoria profissional e um na categoria 

amador, além de quinze registros individuais na categoria profissional e dezenove na amador. 

  

Mais informações, com Sérgio Dimas Bellozupko, pelo telefone (48) 3241415.

            

         


                    

CONCERTO COMEMORATIVO AOS 142 ANOS DE FUNDAÇÃO DA 

SOCIEDADE MUSICAL UNIÃO DOS ARTISTAS

       

A Sociedade Musical União dos Artistas, a banda amadora mais antiga do Brasil, no dia 4 de maio, as 20h30, no Cine 

Teatro Mussi, em Laguna, apresentou o Concerto Comemorativo aos seus 142 anos de fundação. Um dia antes, data da 

fundação da banda, a apresentação será na Sociedade Recreativa 3 de Maio. O concerto acontece, anualmente, em homenagem às duas sociedades que aniversariam no mesmo dia. Fundada em 3 de maio de 1860, pelo maestro Luiz Augusto Werner, e, com apenas sete meses de existência, 

apresentava-se nos salões do Teatro 7 de Setembro, em homenagem ao aniversário do imperador 

Dom Pedro II, regida por Pedro Nolasco. 

Sempre atuante na vida da comunidade lagunense, participou de quermesse para angariar fundos paraa construção do 

Hospital Senhor Bom Jesus dos Passos, reconstrução do Clube Congresso lagunense, além de passagens históricas 

como a condução ao embarque de 21 voluntários lagunenses para lutar na Guerra do Paraguai, em 1885.
Participaram de sua formação prestigiadas famílias do Sul catarinense, 
entre elas Natividade da Costa, Felisberto da Rosa, 

Pacheco dos Reis e Silva Pinto. Seus primeiros instrumentos foram comprados de uma extinta banda de Iguape (SP), 

sendo restaurados com cera de abelha. Presidida por Maurício José Espíndola e regida pelo maestro Gerson Barreto 

Júnior, a Sociedade Musical é formada por 46 músicos e mantém uma escola com 15 aprendizes. Ao longo de sua 

história, apresentou–se em inúmeras procissões, missas, passeatas cívicas, grandes regatas, inaugurações, comícios, 

partidas de futebol, funerais de importantes personalidades e festas dançantes nas sociedades recreativas lagunenses. 

     

Mais informações pelo fone (48) 646-1348 ou 324-1415, com Maurício José Espíndola.

                     

     


                   

O que foi o V CONCURSO DE BOI-DE-MAMÃO de Florianópolis

         

A Fundação Franklin Cascaes realizou o V Concurso de Boi-de-Mamão de Florianópolis, no dia 24 de janeiro, 

no Largo da Catedral Metropolitana. As inscrições foram gratuitas a grupos infantis e adultos de Santa Catarina. 

Os quesitos observados pelos jurados foram a cantoria (letra e música), as vestimentas dos personagens, 

a autenticidade (originalidade), coreografia e evolução, a animação e a relação com público.

Os primeiro, segundo e terceiro colocados das categorias adulto e infantil receberam prêmios em dinheiro. 

Ambas as categorias concorreram também a um troféu para a Maricota e outro para a cantoria mais originais. 

A divulgação do resultado e a premiação foram feitas logo após o término das apresentações.

A categoria infantil foi aberta em 2000, tamanho o interesse das crianças em aprender e participar deste que é 

um dos mais antigos folguedos do litoral catarinense. 

Alguns grupos infantis de Boi-de-Mamão surgiram depois de formados nas oficinas oferecidas pela FFC

A iniciativa garante que o folclore se mantenha e a tradição se perpetue, além de proporcionar 

mais uma alternativa para o turismo cultural. 

 

Mais informações, com João Batista Costa, pelo telefone (48) 3241415.

           

   Origem

                 

Por diversas razões conhecidas ou não, o boi é um animal que aparece na mitologia desde a Antigüidade. 

Os portugueses e, principalmente, os espanhóis – povos que cultuam as touradas e outras brincadeiras com o 

animal verdadeiro – disseminaram sua figura no folclore latino-americano. Porém, a verdadeira origem dos 

folguedos que têm o boi como figura central é africana. 

Em certos rituais na África, o animal era sangrado para fertilizar a lavoura. Nas diferentes regiões do Brasil, 

os escravos criaram diversas histórias, originando as várias versões: Bumba-meu-Boi, Boi-Bumbá, 

Boi-Calemba, Boi-da-Cara-Preta, Boi-de-Reis, Boi-Pintadinho, Boi-de-Mamão.

Este último, mais conhecido no Sul do País, é uma encenação que envolve dança e cantoria em torno do 

tema épico da morte e ressurreição de um boi. 

No litoral catarinense, o auto incorporou a presença açoriana através da cantoria e dos instrumentos musicais. 

Segundo alguns folcloristas, antigamente, era chamado de Boi-de-Pano, por causa do material 

empregado para confeccionar o bicho. 

Certa vez, na pressa de fazê-lo, foi usado um mamão verde para servir de cabeça, então, batizando a brincadeira. 

Outros alegam o fato de o brincante "mamar", beber cachaça, antes de vestir a fantasia do boi.  

Hoje em dia, as cabeças são feitas até com crânios verdadeiros, menos de mamão. Além do boi, 

compõem a narrativa a Bernunça (figura que teria sido inspirada no dragão celeste chinês, engole crianças e 

dá a luz bernuncinhas), a Maricota (mulher altíssima, vaidosa e desengonçada que esbarra seus enormes 

braços quando dança), o cavalinho, a cabra (é o boi das crianças, menor e dança mais ligeiro), 

o mestre Mateus, o urso, o vaqueiro, o doutor, o macaco, o urubu e a benzedeira.

       

      Vencedores

    

A Fundação Franklin Cascaes promoveu o V Concurso de Boi-de-Mamão de Florianópolis, no Largo da 

Catedral Metropolitana. Quatro grupos infantis e seis adultos, um número recorde na história do evento, 

participaram da competição que iniciou às 17 horas e encerrou às 23h30.  

Os quesitos observados pelos jurados foram a cantoria (letra e música), as vestimentas das personagens, 

a autenticidade (originalidade), coreografia e evolução, a animação e a relação com público. 

O tempo de cada apresentação ficou estipulado em 30 minutos no máximo e as notas foram de 5 a 10 pontos. 

Os três primeiros colocados infantis e adultos receberam, respectivamente, prêmios de R$ 1.500,00, 

R$ 1.000,00 e R$ 500,00. Além disso, as cantorias e as maricotas mais originais de cada categoria ganharam 

troféus confeccionados pelo artista plástico Laércio Luiz.

Formaram a comissão julgadora o bonequeiro e pandorgueiro Alan Cardoso, o radialista Antônio José da Silva, 

o historiador e restauranteiro Arantinho, o historiador e professor Francisco do Valle Pereira, o artista plástico 

João Olíbio da Silva, a folclorista Kátia Abraham e o artista plástico e pesquisador Nei Batista.

Em clima de grande expectativa, a divulgação do resultado e a premiação foram feitas logo após o término 

das apresentações de cada categoria. Durante todo o período, a escadaria da Catedral Metropolitana esteve 

praticamente lotada. Mesmo com o mau tempo, o público acompanhou o Concurso até o encerramento. 

Protegia-se debaixo de marquises e guarda-chuvas e retornava quando a chuva estiava. A prefeita Angela 

Amin e o superintendente em exercício da FFC, Mário César Bittencourt, estiveram presentes no evento, 

que teve o apoio cultural do Bob’s. A competição estimula a manutenção do folclore e garante que a 

tradição se perpetue, além de proporcionar mais uma alternativa para o turismo cultural. 

 

Mais informações, com João Batista Costa, (48) 3241415.

      

     Categoria Infantil

  

1º lugar: Boi-de-Mamão Esperança (Florianópolis) – 376 pts.

2º lugar: Grupo Cultural Deixa Meu Boi Brincar (Florianópolis) – 373,5 pts.

3º lugar: Grupo Folclórico Mirim da Barra do Aririú (Palhoça) – 367,5 pts.

4º lugar: Grupo Infanto-Juvenil Boi-de-Mamão do Porto da Lagoa (Florianópolis) – 343,5 pts.

Maricota mais original: Grupo Cultural Deixa Meu Boi Brincar.

Cantoria mais original: Grupo Folclórico Mirim da Barra do Aririú.

        

    Categoria Adulto

      

1º lugar: Boi-de-Mamão da Associação do Bairro do Sambaqui (Florianópolis) – 392 pts.

2º lugar: Grupo Folclórico Boi-de-Mamão de Jurerê (Florianópolis) – 389 pts.

3º lugar: Sociedade Folclórica Boi-de-Mamão do Itacorubi (Florianópolis) – 379 pts.

4º lugar: Sociedade Folclórica Unidos do Pantanal (Florianópolis) – 372 pts.

5º lugar: Grupo Folclórico Filhos da Terra (Palhoça) – 361 pts.

6º lugar: Grupo Folclórico Boi do Limão (Florianópolis) – 348 pts.

Maricota mais original: Boi-de-Mamão da Associação do Bairro do Sambaqui.

Cantoria mais original: Grupo Folclórico Boi-de-Mamão de Jurerê.

      

         


Assessoria de Comunicação: Marcos Reichardt Cardoso (SC 00461 JP).

Fundação Cultural de Florianópolis - Franklin Cascaes. Forte de Santa Bárbara. Rua Antônio Luz, nº 260 - Centro - Florianópolis - SC - 88010-410.

Fone: (48) 3241415. Fax: (48) 3240148 - E-mail: ffcascaes@pmf.sc.gov.br. Http: www.pmf.sc.gov.br